Minúsculos transmissores poderiam ajudar a evitar o gargalo em redes de dados

As principais operadoras de telefonia, com o argumento que suas redes estão entupidas pelo tráfego de smartphones e tablets, cada vez mais têm implementado a otimização de dados, uma prática de segmentação de usuários, que diminui as velocidades de transferência de dados. Agora, um dispositivo inventado pela Bell Labs, um transmissor programável, do tamanho de uma chícara e que não requer nenhuma nova torre de celular tradicional, poderia rapidamente aumentar a capacidade e, assim, ajudar a evitar os gargalos de dados.

Os aparelho é conhecido como cubo de rádio leve. Medindo apenas seis centímetros de cada lado, ele é um transmissor e receptor em miniatura, que pode ser programado para trabalhar com flexibilidade em diferentes contextos, para aumentar a capacidade.
Dois dispositivos em conjunto podem servir uma área compacta, como um estádio ou estação de trem, cuidando apenas do tráfego naquela área, enquanto uma torre de celular pode servir uma área mais ampla. Um aglomerado de 10 a 20 deles podem formar uma matriz que substitui os transmissores no topo de uma torre de celular comum. Eles podem aumentar a capacidade, em parte, pelo remodelamento coletivo do feixe de rádio em tempo real para os sinais de entrada, para otimizar o desempenho.

As demandas das redes móveis devem explodir nos próximos quatro anos. A Bell Labs estima que o tráfego vai crescer por um fator de 25, enquanto a Cisco diz que vai crescer 18 vezes até 2016. De qualquer forma, o sistema precisará ser refeito para acomodar este tráfego.
“Acho que estamos realmente à beira de uma grande transformação do que uma rede sem fio é e faz, bom como seu valor para todos”, disse Mike Schabel, vice-presidente da Alcatel-Lucent, que comercializa a tecnologia.

cubes02
Cubos de rádio leve podem acrescentar eficiência de outras maneiras também. Em uma torre de celular tradicional, em torno de 50 por cento da energia é perdida apenas na passagem de um sinal pelos amplificadores e outros componentes, de uma estação de base, até ao transmissor no topo do mastro. Mas, nos cubos, estes componentes são miniaturizados e distribuídos a bordo de cada unidade, reduzindo as perdas. No geral, Schabel disse, as unidades podem reduzir os custos em 40 por cento, em comparação com a adição de capacidade de rede através de macro células.

Mas primeiro, testes no mundo real devem ser feitos. Até agora, a tecnologia, que pode trabalhar com 2G, 3G e redes 4G, tem sido submetida a testes pela Telefônica, a operadora espanhola, a Etisalat, nos Emirados Árabes Unidos, e a China Mobile, que tem 650 milhões de assinantes.