Homem tem 75 por cento de seu crânio substituído por um implante impresso em 3D

Um homem não identificado dos EUA teve seu crânio digitalizado por um scanner 3D antes da prótese, feita pela Performance Materials Oxford (OPM), em Connecticut, ser criada para atender suas características e a placa resultante foi implantada cirurgicamente recentemente. A tecnologia, chamada OsteoFab Patient Specific Cranial Device (dispositivo craniano específico para paciente OsteoFab), recebeu aprovação do FDA em 18 de fevereiro deste ano e está agora pronta para ser adotada na área de impressão 3D médica.

Se uma impressora 3D pode substituir um bico de águia careca ferido, por que não a maior parte do crânio de um paciente humano? O paciente dos EUA teve três quartos de osso natural de seu crânio substituídos por uma prótese. Sua cabeça foi digitalizada antes da prótese ser impresso em uma impressora 3D. Detalhes de superfície foram gravados no material chamado polyetherketoneketone (PEKK) para encorajar o crescimento de tecido e osso novos. PEKK é um polímero biomédico de alto desempenho que pode ser vendido na forma bruta ou semi-acabado e começou a ser utilizado em tecnologias de produção aditivas em 2006. É mecanicamente muito semelhante ao osso, não interfere nos raios-x e ajuda o novo osso a se formar.

A OPM acredita que mais de 500 pessoas poderiam tirar proveito de tal tecnologia a cada mês, ao auxiliar na substituição de outras áreas danificadas do corpo. Dentro de semanas de digitalização, a empresa diz que ela pode produzir uma prótese pronta para a implantação.